Recomeçar, sem medos!

IMG_1670O tempo passa por nós (ou nós pelo tempo), a uma velocidade tremenda que nem sempre nos apercebemos que o hoje já era, que o ontem já lá vai e o amanhã passa a correr.

A malta nova, vai provavelmente dizer que não é bem assim, porque não há maneira de “serem grandes”, de terem autonomia, ganharem os seus trocos, serem isto ou aquilo, que a escola é uma seca e, não entendem para que serve metade da matéria que têm de estudar. Que o tempo nunca mais passa!… verdade?

Agora, o pessoal mais “cota” (no qual, eu me incluo, sem qualquer tipo de problema), provavelmente já não diz o mesmo. Eu pelo menos, passo a vida a queixar-me que não tenho tempo para nada, que o tempo voa, que as 24 horas do dia não me chegam, que o fim de semana passa a correr, que as férias acabam pouco depois de começarem, enfim… e por  aqui continuava, com vários exemplos de como “o meu tempo voa à velocidade da luz”!…

Talvez por achar, que o tempo está a fugir-me por entre os dedos, tenho parado várias vezes ultimamente, para analisar o meu percurso, a pessoa que me tornei, as escolhas e opções que tomei, os caminhos que escolhi, se sou feliz naquilo que sou, faço e tenho construído ou conquistado.

Tenho, sem dúvida, muito para contar… já passei por muito nesta vida, já fiz muitas escolhas erradas, cometi muitos erros, já fui muito ingénua… mas, também tenho muitas outras coisas, de que me orgulho de peito cheio. E, até posso dizer, que estou grata, por todos esses passos menos bem dados, pois serviram de lição para o futuro e que, sem eles, talvez eu hoje, não tivesse conseguisse ver as coisas por várias perspectivas e, não tivesse o sentido tão apurado para certas e determinadas coisas.

As vivências da vida amadurecem-nos, estimulam os nossos sentidos, desenvolvem e formam a nossa personalidade, tornam-nos mais ponderados e emocionalmente mais estáveis. Claro que cada caso é um caso, não se pode generalizar, mas regra geral deveria ser assim (há muitas excepções, infelizmente!)

Mas este palavreado todo, vem a propósito de quê, Sanna? – perguntam vocês, já fartos de ler tanta divagação junta, num único post.

A propósito de nada e, de tudo…

A propósito de que nunca é tarde demais para parar um pouco e reflectir, analisarmos se fazemos o que gostamos, se somos boas pessoas para nós próprias e para o próximo (esteja ele realmente próximo, ou distante e talvez, a ficar esquecido nas memórias), se temos coragem de mudar algo que esteja menos bem, ou assumidamente, mal de todo!

Pessoalmente, já passei por inúmeras mudanças, algumas delas radicais; quer a nível pessoal, familiar, profissional, de saúde também… e, com todas elas aprendi que temos de ir à luta. À luta pelos nossos ideais, pelos nossos interesses, pela nossa felicidade (e a felicidade daqueles que nos são próximos)… temos que ir à luta, mas com vontade de vencer! Porque se assim não for, a luta vem ter connosco e derrota-nos num abrir e fechar de olhos.

Tenho três máximas que gosto de impor a mim própria para me motivar e desafiar:

  • Nunca parar de aprender e de crescer.
  • Recusar-me a baixar os braços e, ir à luta para vencer.
  • Se não estás bem… muda-te!

Claro que nem sempre é fácil!

Claro que aparecem obstáculos, por vezes difíceis de contornar!

Claro que… claro que… blá blá blá…

O importante é não esmorecermos demasiado, não deixarmos que os problemas se acumulem sem solução. Tentarmos, de forma faseada, ir resolvendo as coisas que à partida são de mais fácil ou rápida solução, deixando as mais complicadas para resolver a seguir.

Pensando que não, mas o simples facto de concluir uma tarefa, por mais pequena e simples que seja, dá-nos animo para continuar para as seguintes. Comigo, tem funcionado e tenho conseguido, aos poucos, recuperar do estado de esgotamento a que me deixei chegar… lá está, deixei acumular demasiadas coisas, tanto na minha vida pessoal como na profissional, que me consumiram até quase ao último sopro.

Outra coisa que me tem ajudado e, muito, é a mudar algumas coisas que me derrubavam, entristeciam ou simplesmente que eu não me dava ao luxo para fazer, porque os outros estavam sempre primeiro lugar… alguém se revê?

Coisas tão simples, como:

  • ouvir aquela música que tanto gostamos (descobri entretanto, que gosto de ouvir chillhop jazz)
  • Brincar durante uns minutos, por pouquinhos que sejam, com os filhotes (mas, brincar mesmo, sentados no chão a montar Lego, por exemplo)
  • Fazer uma pausa no trabalho quando o dia está muito intenso, nem que seja para ir beber água, ou ir pessoalmente falar com alguém, em vez de telefonar.
  • Sorrir para alguém… experimentem dizer “bom dia” mais vezes.
  • Fazer uso de duas coisas maravilhosas; uma chamada “simpatia” e outra chamada “tolerância”. Sejamos mais simpáticos e tolerantes.

Costuma-se desejar aos outros, tudo em dobro o que nos desejam a nós, conhecem e, até usam, certo?

Agora imaginem, que o que fazemos aos outros nos possa seja retribuído em dobro. Que bom seria!

E assim termino por hoje, lamento se o tamanho do texto é excessivamente grande, mas só assim consigo passar o que me vai na mente e no coração. Nem sempre, ou quase nunca, as sínteses tocam corações eu pretendia tocar o vosso, hoje!

Sejam muito felizes meus amores.

Beijinhos doces

 

 

Anúncios

2 thoughts on “Recomeçar, sem medos!

  1. Adorei ler cada palavra minha querida e sem dúvida que me revejo em muito do que escreveste ❤
    Pra frente e sempre com a certeza e que deixamos o melhor de nós ❤
    Um grande beijinho Amiga 😘❤

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s